Esclerose múltipla: sintomas emocionais e pensamentos

Pensamentos e emoções

Na esclerose múltipla (EM), além dos sintomas físicos também podem surgir sintomas cognitivos (capazes de afetar o raciocínio ou a concentração, por exemplo) ou sintomas emocionais (como a depressão ou a ansiedade). Ao contrário do que se pensa, estes sintomas podem ter um grande impacto na qualidade de vida, pelo que é fundamental saber o que pode esperar e o que deve fazer.

Tal como nos restantes sintomas da EM os problemas cognitivos ou emocionais podem variar muito de pessoa para pessoa.

Os sintomas cognitivos

Os sintomas cognitivos são, na realidade, os vários problemas associados ao pensamento, memória e concentração que surgem frequentemente na EM. Cerca de metade das pessoas que vivem com a doença desenvolvem problemas cognitivos em algum momento da sua vida e apesar de serem “invisíveis” podem trazer dificuldades em:

•    Concluir tarefas;
•    Processar a informação;
•    Manter a concentração;
•    Lembrar eventos recentes ou tarefas rotineiras;
•    Fazer planos e tomar decisões;
•    Participar em discussões de grupo.

Na maior parte dos casos, os sintomas cognitivos são ligeiros e existem diversos métodos para ajudar a ultrapassar estas dificuldades.
 

Dadas as repercussões que os problemas cognitivos podem ter na vida de quem tem EM é importante reconhecê-los e falar com o neurologista e/ou enfermeiro de EM para aprender a geri-los rapidamente. 

Sugestões que o podem ajudar a lidar diariamente com os sintomas cognitivos
•    Faça uma coisa de cada vez, evitando alternar entre tarefas diferentes;
•    Evite trabalhar ou iniciar as suas tarefas em lugares que o possam distrair;
•    Não se esqueça da importância das pausas e dos exercícios de relaxamento: podem ajudá-lo a concentrar-se;
•    Se lhe falhar a memória, habitue-se a tirar notas ou a deixar lembretes e alarmes no telemóvel. Pode ainda experimentar fazer mnemónicas ou pequenas rimas para ajudar a lembrar;
•    Mantenha um diário e/ou uma agenda com um plano de tarefas diárias e prioridades bem definidas;
•    Estabeleça uma rotina para as tarefas importantes que tende a esquecer-se: vai ajudá-lo a lembrar-se se mantiver sempre uma tarefa no mesmo horário;
•    Escolha um lugar específico para deixar coisas como a carteira, as chaves ou os óculos.
 

Os sintomas emocionais 

É bem conhecido o impacto negativo que a EM tem na saúde emocional: cerca de um terço das pessoas que vivem com a doença sente ansiedade e os estudos sugerem que a depressão é mais frequente nesta população, em comparação com a população em geral. 

Além de estes problemas poderem surgir pelas diversas transformações que a doença e outros sintomas trazem para a vida da pessoa, sabe-se que a EM pode interferir ainda com a transmissão de sinais que afetam o humor.

Entre os vários problemas emocionais que podem surgir estão:

•    Depressão ou ansiedade;
•    Problemas de autoestima;
•    Irritabilidade;
•    Alterações de humor.

É importante não subestimar o bem-estar ou tentar anular o modo como se sente. Sempre que os problemas emocionais trazem um peso adicional para o dia a dia com EM é fundamental falar com um profissional de saúde. Saiba o que pode fazer para evitar que estes sintomas tomem conta da sua vida!

Existem várias abordagens que podem ajudar a gerir os problemas emocionais, sem esquecer a importância de falar sobre eles com o neurologista e/ou enfermeiro de EM.

•    Terapia cognitiva comportamental (TCC): pode ajudar a compreender de que modo certas situações podem influenciar aquilo que pensamos e sentimos, bem como a utilizar estratégias para adotar novas formas de pensar;

•    Mindfulness: uma técnica meditativa que ajuda a compreender e aceitar as emoções;

•    Aconselhamento: falar com alguém pode ajudar a colocar os assuntos em perspetiva e a gerir as diferentes situações.

Que outras estratégias podem ajudar a reduzir os problemas emocionais?
•    Conversar pode ajudá-lo bastante, seja com amigos, familiares ou um grupo de apoio de EM. 
•    Identifique fontes de ansiedade e reduza a sua presença na sua rotina;
•    Aprenda a reconhecer e aceitar que há coisas que fogem ao seu controlo;
•    Mantenha a atividade física adequada ao seu caso: não só promove um sono descansado, como pode aumentar a energia e reduzir o stress;
•    Experimente fazer uma massagem, aromaterapia, meditação, técnicas de respiração e de relaxamento ou yoga.