A esclerose múltipla é hereditária?

A esclerose múltipla é hereditária?
Mitos e verdades Artigos

Após o diagnóstico as questões são muitas e, entre elas, uma das mais frequentes é: a esclerose múltipla é hereditária? A origem da esclerose múltipla (EM) não é ainda totalmente compreendida, o que faz com que sejam necessários mais estudos para uma resposta definitiva. Esta é, por isso, uma questão que tem para já várias nuances na resposta.

Para destrinçar as várias possibilidades e acabar com os mitos de vez é preciso ter em conta várias informações, à luz do que hoje sabemos.

A EM pode ser herdada?

A resposta é não! Se a EM fosse uma doença transmissível de pais para filhos, o seu aparecimento seria mais previsível. E o que acontece em muitos casos é que surge sem que haja historial familiar da doença. Ainda, se fosse possível herdar a EM, teríamos mais casos de gémeos verdadeiros em que ambos os irmãos têm a doença. Felizmente, sabemos que isto não acontece: a probabilidade de um irmão gémeo de alguém que vive com EM vir a ter a doença é de um em cinco. 

O que sabemos é que um caso de EM na família pode aumentar a probabilidade de outra geração vir a ter a doença. No entanto, o fator genético é apenas um dos vários fatores que hoje pensamos estarem envolvidos no aparecimento da EM. 

Mas a EM não é genética?

Sim e não. Até à data foram identificados mais de 200 genes que parecem estar envolvidos no aparecimento da doença. Não existe, contudo, apenas um gene que seja unicamente responsável pela EM. Ou seja, cada gene participa numa pequenina parte do processo. E, além do mais, conhecem-se outros fatores não genéticos que parecem influenciar o aparecimento da doença: a deficiência de vitamina D, o consumo de tabaco e a infeção por vírus como o vírus Epstein Barr são alguns exemplos.

Descubra mais sobre os fatores que influenciam o aparecimento da EM.

Se tenho alguém com EM na família posso vir a ter a doença?

A resposta não é tão linear assim. Se tem alguém na família com EM, a probabilidade de vir a ter é maior, mas esse risco varia consoante o grau de parentesco: quanto mais próximo, maior a probabilidade. A razão está no facto de alguns dos genes identificados passarem para as gerações seguintes. 

Por outro lado, não é certo que venha a ter a doença. Os estudos dizem-nos que a maior probabilidade ocorre entre irmãos gémeos verdadeiros e, ainda assim, o risco é de um em cinco. Quando falamos de gémeos não verdadeiros o risco desce para um em cada 22 casos. Entre irmãos que não sejam gémeos o risco passa para um em cada 37 casos. E qual o risco se tem um pai com EM? É de um em cada 67 casos. 

Não deixe que o receio o impeça de viver o dia a dia. Deixe as probabilidades para a ciência e faça o melhor que há a fazer: manter uma vida o mais saudável possível.

1.NHS. Causes – Multiple Sclerosis. https://www.nhs.uk/conditions/multiple-sclerosis/causes/
2. National Multiple Sclerosis Society. What causes MS? https://www.nationalmssociety.org/What-is-MS/What-Causes-MS
3. Multiple Sclerosis Trust. Is MS hereditary or not? https://www.mstrust.org.uk/news/views-and-comments/ms-hereditary-or-not-04
4. Multiple Sclerosis Trust. Risk of developing MS. https://www.mstrust.org.uk/a-z/risk-developing-ms
5. Compston, A., and Coles, A. Multiple Sclerosis. Lancet 2008; 372: 1502–17.