Reservado para emergências

imagen

Controlo dos danos

Recentemente temos falado sobre o modo como a esclerose múltipla (EM) pode afetar o cérebro – por exemplo, pode provocar um fenómeno designado “atrofia cerebral”. Estas alterações podem ter um impacto na vida das pessoas com esta doença.1 Contudo, o cérebro possui um sistema muito inteligente que o ajuda a recuperar desse dano.

Como funcionam as reservas do cérebro
 

Muitas pessoas acreditavam que o cérebro deixava de se alterar e desenvolver no início da idade adulta, mas agora sabe-se que isso não é inteiramente verdade.
À medida que envelhecemos o nosso cérebro continua em constante modificação e reorganização, criando novas ligações e fortalecendo outras. É por isso que habitualmente se diz que o cérebro é flexível, ou seja, que possui plasticidade neuronal.
 

 

Estimule o cérebro
Arraste para examinar a plasticidade do cérebro e oiça o áudio abaixo
Prof. Bart van Wijmeersch

Prof. Bart van Wijmeersch

Discute o impacto da reserva neurológica

Graças à sua plasticidade neuronal e ao facto de não o usarmos constantemente na sua totalidade, o cérebro possui um mecanismo de reserva. Se algo correr mal numa parte do cérebro, pode ser possível utilizar outras partes do cérebro para controlar o problema. Este mecanismo de reforço é conhecido por “reserva neurológica”. Ou seja, quanto maior a reserva do cérebro, mais saudável será. Este mecanismo é constituído por dois componentes: a reserva cerebral e a reserva cognitiva. Ambas são importantes para a saúde cerebral.

cérebro

Não é possível controlar o tamanho do nosso cérebro, pois este é determinado pela nossa genética.

À medida que vamos envelhecendo, o nosso cérebro vai diminuindo de tamanho a um ritmo muito lento. Por outras palavras, sofremos atrofia cerebral.
A EM também pode provocar danos no cérebro, o que pode fazer com que a atrofia cerebral tenha uma progressão mais acelerada. Se o tamanho do cérebro diminui, a reserva cerebral também diminui.1
 

Questão

Alguma vez ouviu falar do termo “reserva cerebral” ou “reserva cognitiva”?

Escolhas

Entender a reserva neurológica na EM

Prof. Bart van Wijmeersch

Quando a reserva neurológica se esgota:

A EM pode provocar danos e lesões, que podem provocar perda de tecido cerebral mais rapidamente do que o habitual.
À medida que ocorrem danos no cérebro, são recrutadas novas zonas cerebrais para desempenhar as funções das zonas afectadas. Isto consome a reserva neurológica e faz com que o cérebro possa não ser capaz de desempenhar todas as funções que normalmente desempenharia.

É mais provável que os sintomas da EM progridam quando toda a reserva neurológica se esgota.
 

Questão

O cérebro pode contornar alguns danos causados pela EM. Esta afirmação é verdadeira ou falsa?

Escolhas

Entender a reserva neurológica na EM

Prof. Bart van Wijmeersch

A desvantagem da reserva neurológica

A reserva neurológica pode ajudar o nosso cérebro a lidar com os danos causados pela EM, mas também pode escondê-los, fazendo com que sejam muito mais difíceis de identificar. É por isso que, muitas vezes, a EM não é detetada na fase inicial da doença. Podemos sentir-nos bem, não ter sintomas e, mesmo assim, a EM estar ativa. Só quando a reserva neurológica se começa a esgotar é que os sintomas da EM se tornam mais percetíveis.

Podemos não ter novos sintomas quando se formam novas lesões. Na verdade, a maioria das lesões não resulta num surto, porque o cérebro pode criar outras ligações e contornar o dano em questão.
 

Questão

Os danos no cérebro causados pela EM resultam sempre em sintomas. Esta afirmação é verdadeira ou falsa?

Escolhas

Ligações

Ligações inválidas

Ter um mecanismo de reserva é muito importante para um cérebro totalmente funcional e saudável. A reserva neurológica não só ajuda o cérebro a responder melhor à medida que vamos envelhecendo, como também ajuda o cérebro a lidar melhor com os danos que a EM possa causar. Aqui ficam alguns factos sobre a reserva neurológica que são importantes nos casos de EM.

Ligações

Ligações inválidas

A reserva neurológica pode ajudar a controlar os sintomas, mas, por outro lado, pode contribuir para o dano no cérebro causado pela EM passar despercebido.

Ligações

Ligações inválidas

A nossa reserva neurológica pode-se esgotar. É por isso que precisamos de cuidar do nosso cérebro tanto quanto possível, mantendo-o saudável e ativo.